Trabalhadores da Sumol+Compal de Almeirim marcam cinco dias de greve

Os trabalhadores da fábrica de Almeirim da Sumol+Compal marcaram uma greve de cinco dias para reivindicarem o pagamento do prémio de produção relativo ao primeiro trimestre, situação em resolução.

Rui Matias, do Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal (SINTAB), disse à Lusa que a marcação da greve para os dias 13 a 17 de junho se deve ao facto de o pagamento do prémio de produção relativo ao primeiro trimestre do ano estar com um atraso de dois meses, sem qualquer explicação.

Para o sindicalista, não é compreensível que a empresa não esteja a cumprir com uma medida que a própria criou unilateralmente, adiantando que em causa estão valores da ordem das centenas de euros por trabalhador.

Fonte oficial da Sumol+Compal disse à Lusa que foi detetado um cálculo incorreto do prémio de produtividade em relação a nove trabalhadores num universo de 1.300 colaboradores, situação que foi comunicada individualmente a cada um dos visados.

“O pagamento será feito com o salário de junho”, disse a fonte.

Rui Matias admitiu que por detrás do descontentamento dos 150 trabalhadores da fábrica de Almeirim da Sumol+Compal estão igualmente outras questões, como a perda de direitos com o contrato coletivo de trabalho adotado pela empresa, situações que, contudo, não constam do pré-aviso de greve, pelo que a empresa se escusou a qualquer comentário.

Segundo o Rui Matias, o sindicato tem uma reunião agendada com a administração da empresa para a segunda semana de junho.

Fonte: JN

.