“Não pretendo viver da política”

O que o fez avançar para a liderança da JS Almeirim?

Considerando a altura em que o país se encontra, achei a melhor atitude a tomar, uma vez que já tenho 8 anos de juventude socialista e aprendi muito com estes anos ao trabalhar em diver­sas equipas e com o passar por diversas funções. Por essas razões e pelas elei­ções que vão decorrer ao longo deste ano, achei esta a atitude mais correta a tomar.

Quais são as linhas orientadoras do seu projeto?

As linhas orientadoras deste projeto vão ao encontro do slogan da minha

candidatura “Esquerda XXI, juven­tude, experiência e conhecimento. Pretende-se assim atrair jovens para a política, jovens com conhecimento, visto esta ser uma geração extrema­mente qualificada. Queremos assim atrair esses jovens à participação ativa na política, nomeadamente a diminui­ção da abstenção em todas as eleições.

Mesmo sendo um projeto mais curto, é possível concretizar tudo isso?

Acreditamos que sim. Com a equipa de trabalho que constituímos, uma equipa

dedicada, motivada e experiente, sei que juntos vamos conseguir atingir os objetivos que nos propusemos.

Como se consegue atrair jovens?

Nos dias de hoje, essa é uma tarefa que não está muito facilitada. Muitos dos jovens neste momento estão desmo­tivados e descrentes na política, mas compete-nos a nós atraí-los nova­mente, passando a mensagem de forma fundamentada, simples e correta sobre a importância e o papel que eles têm, não só no momento atual mas também no nosso futuro.

Não acha que os políticos “seniores” e de dimensão nacional têm afastado os jovens da política?

Sim, tenho de confessar que algumas atitudes de alguns políticos de dimen­são nacional têm causado má impres­são nos jovens e, por consequência, o seu afastamento. As atitudes mais negativas, infelizmente, causam, na maioria das vezes, um maior impacto que as positivas.

A ideia dos “jotinhas” não afasta os jovens da política?

Penso que atualmente não seja esse o problema. Como já referido anterior­mente, o problema, no meu entender, prende-se com o facto de os jovens estarem pouco motivados para a polí­tica na generalidade. A definição “joti­nhas” é muito generalizada, e não é a realidade da maioria dos jovens. Considero-me um desses jovens, que atingiu os seus objetivos apenas com o seu trabalho.

O Joaquim imagina-se a viver da polí­tica no futuro?

Eu sou dos que pensam que não se vive da vida política, mas sim está-se na política, até porque considero que os cargos são passageiros. A política somos todos nós e as atitudes cívicas que tomamos. É nisso que acredito, e por esse motivo comecei desde cedo a voluntariar-me como bombeiro, hoje em dia é a minha profissão e já lá vão 12 anos neste sector. Contudo, estou disponível para estar ao lado do Partido Socialista sempre que o partido assim entenda que eu deva estar, e onde possa ser uma mais-valia.

Quer que a JS de Almeirim ganhe peso na concelhia do PS?

Acho fundamental e natural que isso aconteça. Os jovens são o futuro. E quanto mais cedo se começarem a inte­grar na vida política, mais fácil será no futuro termos pessoas capazes para os desafios que tenhamos que enfrentar.

Acha que tem sido feito um bom tra­balho autárquico?

Sim, sem dúvida. Exemplo disso é o facto de os compromissos eleitorais assumidos pelo Partido Socialista de Almeirim estarem a ser cumpridos.

E na área da juventude também?

Na área da juventude também, onde se vê um investimento por parte deste executivo na educação, desporto e cul­tura. Pilares estes que são fundamen­tais para a juventude. Saliento como exemplo, as constantes iniciativas no Cine-Teatro, com ótimos cartazes para jovens.

Está disponível para integrar as listas do PS nas autárquicas de 2021?

A minha disponibilidade para com o PS Almeirim é total. Se o partido e os seus militantes o entenderem, eu estarei preparado para esse desafio.

Tem gostado do trabalho desenvolvido na assembleia de freguesia?

Tem sido para mim um gosto enorme e uma honra poder representar as pes­soas que me elegeram. Era uma reali­dade que não conhecia e tem-se mos­trado uma surpresa muito positiva.

.