Não há soluções, há caminhos: 14 de março

Não somos nada! Será que reconhecemos o “zero à esquerda” que somos? Não valemos nada, dizemos, e, contudo, somos capazes de passar um tempo interminável à volta de nós mesmos, esquecendo Deus, esquecendo os outros e esquecendo os valores por quem somos alguma coisa.

Não somos nada? As nossas pretensões e vaidades são palavras ocas, só palavras que o vento leva… Mas quanto mais esvaziados de nós mesmos, mais valemos.

NÃO HÁ SOLUÇÕES, HÁ CAMINHOS 365 vezes por ano não perguntes porquê, mas para quê.

Vasco P. Magalhães, sj