“Almeirim pode ser uma referência no Futsal”

Ana Matias é uma das principais atletas do Futsal no concelho, quer como atleta, quer já também como treinadora. Em entrevista a O Almeirinense, a jogadora do Fazendense e treinadora do Futalmeirim fala da modalidade que, acredita, pode vir a ser uma referência no concelho que tem no futebol o expoente máximo.

Ana, que balanço faz do trabalho na formação do Futalmeirim?
Acho que o balanço é positivo. A maior parte dos miúdos nunca tinham praticado futsal e ao fim de 6 meses já se nota uma grande evolução neles.

Quantas crianças estão envolvidas? E em que escalões?
Nos escalões em que estou envolvida, são 13 Traquinas e 13 Benjamins. No início deste ano começámos com o escalão de Petizes, que são à volta de 12 crianças.

O número tem vindo a aumentar?
Sim. No início da época tinha 7/8 benjamins e agora estamos com 13 atletas. No de escalão de traquinas a mesma coisa. E não só, no escalão de iniciados também tivemos um aumento de jogadores.

O que os cativa na modalidade?
Penso que o futsal está cada vez mais “na moda” . A comunicação social também tem tido um papel importante na divulgação da modalidade. E claro, o facto de termos o melhor jogador do mundo de futsal , acho que os cativa!

Há muitas diferenças com o futebol? Para lá do espaço onde se joga e de ser mais pequeno…
Parecendo que não, existem muitas diferenças. O campo é mais pequeno, é um jogo mais rápido, a capacidade de reação é mais rápida e cada vez mais é um jogo mais tático.

Normalmente o futsal era visto como algo para fazer depois de terminar a carreira no futebol. Isso inverteu-se?
Está a inverter – se. Por exemplo, um jogador que fez toda a sua formação no Fut 7/11, quando chega ao futsal vem com muitos vícios do Futebol. Não tem as bases do futsal. Não quero com isso dizer que quem vem do Futebol para o futsal não consiga ter sucesso.

Que objetivos foram traçados para esta época? Quer como jogadora, quer como treinadora?
Pratico futsal há 12/13 anos, antes joguei 4 anos futebol 11, na A.D.C.R. Paços dos Negros. Na última época de fut 11, fiz as duas modalidades: futsal ao sábado e futebol ao domingo. No final dessa época surgiu o convite do Guilherme Simões do fazendense para integrar a equipa de Futsal Feminino. E desde aí não mais parei.

Qual é a sua opinião sobre o trabalho que está a ser feito no futsal da região?
Para esta época, como jogadora, tentar fazer uma época melhor que a anterior. A nível individual até correu bem, a nível coletivo, não correu como gostaria. Queria que a equipa fosse campeã, já que é o troféu que falta ao futsal feminino do fazendense. E claro, chegar à final da taça do ribatejo.
Como treinadora, incutir o gosto pelo futsal aos meus jogadores e transmitir o que aprendi ao longo destes anos no futsal.

O que a cativou na altura para jogar?
O futsal está a crescer, principalmente na formação, mas ainda é necessário fazer muito. Tem que haver mais formações para os treinadores e mais apoios, claro. No feminino, principalmente, é muito complicado conseguir patrocinadores. Sempre gostei de ver e jogar futebol (deve de ser de família). Joguei 7 anos Andebol porque não havia equipas de futebol feminino. Chegava a jogar na rua e em casa, com o meu irmão, para matar o bichinho da bola. Aliás, lembro-me de no andebol ficar de castigo por mandar pontapés nas bolas. E assim que surgiu o convite para jogar futebol, não hesitei.

E hoje em dia, para treinar?
Tenho sempre vontade de treinar, não há nada melhor do que fazer o que se gosta. Já estou há alguns anos para deixar de jogar, mas não tem sido fácil, no bom sentido claro. Mas o gosto que tenho em jogar futsal fala mais alto.

Almeirim pode vir a ser uma referência?
Sim, acho que sim. O Futalmeirim está a fazer um excelente trabalho no que diz respeito à formação. E é para continuar, quer no masculino, quer no feminino. Além do mais, para a próxima época contamos com uma equipa de juvenis femininos, o que é muito bom, não só para o clube, mas também para a nossa região.

Almeirim não tem perdido por juntar clubes de futsal a futebol?
A maior parte dos clubes aqui na zona querem apostar mais no futebol, nada contra, mas se quisessem apostar no futsal já o teriam feito. Não temos nenhum clube no nosso concelho que seja uma referência no futsal. Talvez o fazendense futsal feminino seja a única referência. E espero que o Futalmeirim no futuro seja um clube de referência.

.